Conheça as cervejas Stout

Stout: estilo e subestilo, gênero e espécie

Quando você pensa em cerveja escura, você pensa em quê? Se a resposta começa com MALZ e termina com BIER, sugiro que você leia este post sobre Stout com atenção redobrada!

Brincadeiras à parte, a nomenclatura Stout é utilizada tanto para definir um conjunto de subestilos que apresentam certas características em comum, como também para definir um subestilo residual, dentro do qual estarão todas as Stouts que não se enquadrarem nos demais subestilos. Confuso? Nem tanto.

Nesse primeiro momento, abordaremos a Stout como conjunto de subestilos, apresentando as características que são comuns a todos eles. Beleza?

Como surgiram

A Stout nasceu na Inglaterra, da intenção de se fazer uma cerveja escura mais intensa do que as Porters, que já eram muito populares na Terra da Rainha.

É importante observar que, apesar dessa intenção inicial, atualmente não existe mais essa superioridade de intensidade entre as Stouts e Porters.

Continuando. De modo geral, as Stouts são cervejas escuras, de coloração marrom a preta. O teor alcoólico pode variar bastante de acordo com o subestilo, indo de 4,2% a mais de 15%.

A Black Anthrax é a Russian Imperial Stout da cervejaria Quatro Graus. A versão de 2016 veio com 16% ABV. Bicha braba!

No paladar, a predominância é do amargor do malte torrado, sempre presente, e do lúpulo, que pode estar mais ou menos aparente. Tende a ser um estilo bem seco (pouco doce), embora haja algumas exceções.

A temperatura ideal para se degustar uma Stout geralmente varia de 10 a 13°C. Por conta disso, costuma-se dizer que é uma cerveja apropriada para dias mais frios e, também por isso, não é um estilo que recebe grande atenção das cervejarias de lugares com temperaturas mais elevadas, como é o caso do Rio de Janeiro.

Entendido o gênero, passemos às espécies.

Dry Stout

Também conhecida como Irish Stout, justamente pelo sucesso que faz no país dos Leprechauns. No Dia de São Patrício (St. Patrick’s Day), os festivais de cerveja na Irlanda são dominados por cervejas verdes – que na maioria esmagadora das vezes são lagers comerciais – e Dry Stouts.

Sua coloração varia do marrom bem escuro ao completo negro. A intensidade do sabor torrado é média e o café domina o paladar no fim. O amargor do lúpulo é marcante, embora o “gosto de lúpulo” seja praticamente imperceptível.

As Stouts mais famosas do mundo encontram-se subcategorizadas como Dry Stouts, como é o caso da Guinness.

É hipnotizante ou não é?

Double Stout

Assim como “Imperial”, a nomenclatura Double sugere uma versão mais intensa e alcoólica de determinado estilo. É assim com as Double IPAs, Double Red Ales e não é diferente no caso das Stouts.

Costuma-se também chamar esse estilo de Russian Imperial Stout (RIS), pelo fato de ser um estilo que era exportado pela Inglaterra para a Rússia.

Em geral, apresenta coloração bem escura, geralmente se aproximando do petróleo.

Atualmente, esse é um estilo que vem fazendo muito sucesso entre as cervejarias artesanais americanas e, aqui no Brasil, temos excelentes exemplares disponíveis, tais como a Black Anthrax, da cervejaria Quatro Graus, Dum Petroleum e a #TBT, feita em colaboração pela 2Cabeças e 3Cariocas (PS: a #TBT é uma Imperial Stout com adição de aveia, característica do próximo sub-estilo).

Oatmeal Stout

Oatmeal significa aveia em Inglês, o que já entrega a principal característica desse subestilo.

A aveia dá à cerveja um toque aveludado na boca e, de modo geral, as cervejas avaliadas nesse estilo tendem a possuir um dulçor maior do que de uma Stout clássica, embora menor do que de uma Sweet Stout.

A coloração tende a ser um pouco mais clara do que a de uma Double Stout, embora ainda se mantenha entre o marrom e o preto.

Sweet Stout

Esse é mais um estilo inglês de Stout, que também é conhecido por Cream Stout, ou Milk Stout, embora na Inglaterra não se admita mais a utilização dessas últimas nomenclaturas.

Esses nomes surgiram por conta da utilização de lactose para trazer dulçor à cerveja. No entanto, cabe verificar que, embora seja uma cerveja mais doce que uma Stout clássica, paladares menos treinados podem ainda encontrar dificuldades para identificar esse dulçor.

É comum percebermos chocolate amargo e café, sendo o final, de modo geral, dominado pelo malte torrado e amargor do lúpulo.

Costuma ser uma cerveja cremosa com o paladar de um expresso levemente adocicado. Em relação ao teor alcoólico, pode variar entre 4 a 6%.

No mundo, a representante mais famosa do estilo é a inglesa Youngs Double Chocolate Stout.

Export Stout

Este é um subestilo de Stout que, por sua vez, se subdivide em outros dois: o Tropical Stout, que é mais doce e frutado; e o Export Stout (em sentido estrito), mais seco e amargo.

Ambos apresentam tipicamente uma característica maltada (torrado) e podem ter notas de café e chocolate amargo.

Enquanto o amargor provocado pelo lúpulo varia de cerveja para cerveja, entre médio e baixo, o sabor desse ingrediente é praticamente indetectável. Na boca, sentimos a cerveja bem espessa e cremosa.

Por fim, trata-se de uma cerveja bem alcoólica, tendo sua variação de ABV entre 6,3 e 8%.

Stout (em sentido estrito)

Apesar de estarmos aqui colocando os parênteses para indicar “em sentido estrito”, ou “em sentido amplo”, cumpre observar que os rótulos não irão fazer esse tipo de diferenciação.

Aqui o fazemos apenas para que se entenda que é possível usar uma mesma palavra para se referir a duas coisas distintas, embora parecidas.

A Stout como subestilo apresenta as características genéricas de uma Stout, mas não se enquadra dentro de nenhum outro subestilo.

Possui, de modo geral, teor alcoólico entre 4,5 e 7,5%, coloração que varia do marrom ao preto e sabor predominante de maltes torrados, que geram um amargor similar ao do café e chocolate amargos.

Bônus de Stout!

Há ainda um subestilo menos conhecido e que não abordaremos com mais profundidade. Trata-se da Oyster Stout. Apenas a título de conhecimento geral – e para que você possa chocar alguns de seus amigos com essa informação – trata-se de uma Stout produzida com ostras! Bem esquisito, porém interessante, não?

Ainda não temos nenhum exemplar Oyster Stout no Brasil.

Uma Oyster Stout gringa com um galo santo no rótulo. Mucho loco! Foto: www.bayareacraftbeer.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *