Cerveja de Trigo: Tudo que Você Precisa Saber

Quem nunca se viu de boca aberta observando aqueles copos gigantescos, longos e cheios de um líquido turvo e amarelado na mesa de algum desconhecido num bar de cervejas artesanais? Pois então, sinta-se apresentado à famosa cerveja de trigo, ovacionada por uns, odiada por outros.

As cervejas de trigo são muito populares no sul da Alemanha, na Região da Baviera, onde – pasmem – costumam ser consumidas no café da manhã.
Há diversas variações desse estilo, com consideráveis diferenças entre si. Tecnicamente, todas levam pelo menos 50% de malte de trigo ou trigo não maltado em sua composição, variando em outros aspectos da receita: maltes mais ou menos torrados, sendo ou não filtrada e por aí vai.

Hefeweizen (Cerveja Weiss)

O que conhecemos como Weissbier – ou simplesmente Weiss – são cervejas do estilo Hefeweizen, o estilo tradicional alemão e o mais famoso entre as cervejas de trigo.

A Hefeweizen é uma cerveja de trigo não filtrada. Por isso, sua aparência é turva, já que sedimentos de fermento – ou levedura, como é mais conhecido no mundo das cervejas – continuam no corpo da breja mesmo depois de engarrafada.

A propósito, o nome desse estilo é bem sugestivo por si só: Hefe (“fermento” em Alemão) + Weizen (“trigo” na mesma língua).

Os aromas e sabores de banana e cravo são marca registrada desse estilo. A cor varia de um amarelo palha ao âmbar e a espuma é branca e densa.

Devido à grande quantidade de trigo, essas cervejas têm alto poder de saciação – o que faz com que muitos bebedores considerem-na “pesada” e sintam-se empanturrados depois de apreciá-las.

Apesar disso, as cervejas Weiss possuem alta carbonatação e são quase nada amargas, o que as torna refrescantes e fáceis de beber.

Aqui no Brasil, alguns de nossos exemplares de Hefeweizen utilizam uma quantidade de lúpulo acima do convencional, para conferir mais leveza a essas cervejas. Como moramos num país quente a maior parte do tempo, a adaptação de um estilo que foi pensado para padrões europeus de clima se fez necessária.

Uma grande curiosidade que gira em torno das cervejas de trigo em geral é sobre o copo típico em que são servidas e degustadas.

O copo Weizen é um copo de presença: bem alto, comporta perfeitamente 500ml e ainda sobra espaço para a espuma. Ele permite a contemplação do líquido e, mais importante, foi pensado para que todo o conteúdo da garrafa possa ser despejado de uma vez, inclusive o fundo, onde ficam os sedimentos de levedura. Assim, a degustação fica completa!

cerveja de trigo weissbier
O famoso copão da Weiss! Foto: Libbey.

Dunkelweizen

Assim como a Hefeweizen, esse estilo também não é filtrado, mantendo as partículas de levedura mesmo após a engarrafagem.

As Dunkelweizen, no entanto, contém mais trigo (entre 60% a 70%) e devem sua coloração escura aos maltes de cevada mais tostados que compõem a receita. Isso confere às cervejas desse estilo um sabor bem mais maltado e torrado, com nuances que remetem até mesmo ao chocolate.

O tradicional aroma e sabor de banana encontram-se de forma bem mais sutil aqui.

Weizenbock

As mais alcoólicas das cervejas de trigo. As Weizenbock também levam maltes mais tostados em sua composição, deixando a coloração mais escura e conferindo à breja sabores e aromas de café e chocolate.

A banana e o cravo característicos das cervejas de trigo se notam levemente no sabor.

cerveja de trigo weizenbock
Um clássico das Weizenbock!

Witbier (Cerveja de Trigo Belga)

Ao contrário do que muitos pensam, cerveja de trigo não é uma exclusividade alemã. Os belgas também apostaram nesse cereal e hoje têm seu próprio estilo “de trigo” conhecido, apreciado e reproduzido por todo esse mundão cervejeiro.

As Witbiers são cervejas muito refrescantes, que levam trigo não maltado na receita. Isto é, a Witbier não é uma cerveja puro malte. Diferente das cervejas de trigo alemãs, que seguem a Lei da Pureza Alemã – ou Reinheitsgebot, para quem quiser gastar o Alemão – as wits levam adjuntos em sua composição.

Sim, além do malte, água, lúpulo e levedura, elas são originalmente temperadas com cascas de laranja e sementes de coentro.

São cervejas de cor muito pálida e turva, daí o nome “Witbier”, ou cerveja branca em Neerlandês, idioma falado na região de Flanders, onde esse estilo ressurgiu.

Mas como assim ressurgiu?

As Witbiers foram bastante populares na Europa por muitos anos, mas desapareceram após a Segunda Guerra Mundial. Em 1966, na cidade de Hoegaarden, Pierre Celis resolveu fazer sua própria cerveja com uma receita que tinha guardada na memória e batizou-a com o nome da própria cidade.

Hoje, a Hoegaarden é uma cerveja do grupo AB InBev e uma das Witbiers mais famosas do mundo e pode ser facilmente encontrada nas prateleiras de milhares de supermercados e nos cardápios de outros tantos restaurantes por aí.

cerveja de trigo belga witbier
Após a venda da Hoegaarden, Piere Celis relançou sua cerveja original com o nome de Celis White.

É fato que a partir da criação de Pierre, o estilo se firmou e hoje vive um ápice, principalmente aqui no Brasil. São MUITOS os nossos exemplares de Witbier.

Arrisco-me a dizer que a popularidade dessas cervejas se igualou – ou até mesmo superou – a das Hefeweizens por aqui.

Na Bélgica, são servidas com uma rodela de laranja no copo e geralmente acompanham sobremesas.

American Wheat

A caçula das cervejas de trigo, a American Wheat surgiu na década de 1980 nos Estados Unidos. Inspiradas na versão alemã, essas cervejas levam ao menos 30% de malte de trigo em sua composição. O lúpulo aqui tem maior destaque do que em qualquer outro estilo do gênero trigo e, justamente por isso, as American Wheat são cervejas mais refrescantes, amargas e com sabores cítricos e condimentados – nada de sabores e aromas clássicos de banana e cravo por aqui!

As American Wheat são cervejas híbridas, isto é, podem ser feitas tanto com levedura Ale como com levedura Lager. Assim como nas Hefeweizen alemãs, o fermento aqui também se mantém na garrafa, conferindo uma aparência turva ao líquido. Os ingredientes utilizados nessas brejas são necessariamente de origem americana.

O estilo American Wheat é um estilo de verão e cumpre bem o que se propõe a ser: refrescante, leve e fácil de beber. Por isso, essas cervejas vem caindo no gosto do carioca e estão cada vez mais presentes na cena cervejeira local, trazendo um novo conceito para o termo “cerveja de trigo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *