Primeiros Passos na Produção de Cerveja Caseira – Parte I

Olá, cervejeiros e cervejeiras! Esse é o meu primeiro post aqui no Cerveja Mestra e o assunto sobre o qual eu vou falar nessa coluna é a produção de cerveja caseira.

Por isso, resolvi “começar do começo” e dar a minha visão de homebrewer e sommelier de cervejas sobre os primeiros passos pra quem quer produzir cerveja artesanal com qualidade e excelência.

Espero que seja útil e que vocês continuem acompanhando as nossas publicações.

Quero fazer cerveja caseira, por onde devo começar?

Começar a fazer cerveja envolve algumas questões um tanto complexas e muito pessoais, como disponibilidade de verba e espaço, escolha do set de equipamentos, além do conhecimento mínimo necessário sobre os insumos, o processo e as diversas técnicas de produção.

A minha primeira recomendação sempre que me perguntam sobre como começar é: “tenha paciência, controle a ansiedade e ESTUDE BASTANTE”.

Pesquisar e estudar sobre produção de cerveja antes de realmente começar a produzir, além de garantir uma boa base teórica para que você não esteja totalmente leigo na hora de fazer a sua primeira leva, também permite ampliar a sua visão sobre o método que melhor se adapta às suas condições, com qual volume começar e quais equipamentos comprar.

Consequentemente, isso permite ao iniciante investir o seu dinheiro de forma mais adequada, evitando desperdício e gastos desnecessários.

Com a mão na massa, hehe!

E qual o melhor conteúdo pra estudar sobre produção de cerveja?

Essa é uma pergunta complicada de responder, pois pessoas diferentes aprendem de forma diferentes. Pra uns, talvez a melhor fonte de conhecimento sejam os livros e sites especializados. Para outros, vídeos no YouTube e congressos online.

Para outros ainda, bater papo com amigos mais experientes e frequentar reuniões de cervejeiros pode acender muitas luzes.

E também há quem só consiga aprender fazendo cursos ou até mesmo só na prática, botando a mão na massa. É preciso primeiro identificar qual é o método de aprendizado mais fácil PRA VOCÊ e a partir daí buscar conteúdos que possam ser úteis.

Aqui segue uma lista de bons materiais para consulta:

  • Livro: 11 em cada dez cervejeiros caseiros que procuram literatura especializada sobre o assunto começam lendo o livro “How To Brew”, do homebrewer americano John Palmer. A versão em português pode ser facilmente encontrada na internet.
  • Blog: entre os meus preferidos figuram o Cervejarte, do Ricardo Rosa, e o Henrik Boden, do Daniel “Bode”. Mas, é claro, espero que a minha coluna aqui no Cerveja Mestra também passe a fazer parte da sua blogoteca. Hehehe!
  • YouTube: o canal brasileiro com melhor conteúdo técnico sobre produção de cerveja, na minha opinião, é o Beer School, do Jamal Awadallak. Mas para quem está começando, a websérie “Cerveja Feita Em Casa” da cervejaria Eisenbahn, já dá uma boa noção sobre os principais aspectos de produção.

Já estudei bastante e me considero pronto pra fazer minha primeira cerveja caseira. Qual o melhor kit pra comprar?

É extremamente comum ver iniciantes fazerem essa pergunta em fóruns e grupos de cervejeiros. O que é absolutamente normal, pois mesmo os mais experientes certamente tiveram dúvidas na hora de escolher os seus equipamentos.

Do ponto de vista técnico não importa se você vai comprar um kit completo ou montar peça a peça o seu set. Mas prestar atenção a alguns detalhes pode te poupar uma boa grana e fazer com que você tenha um melhor resultado. Entre eles:

  • O tamanho das panelas precisa ser sempre maior do que o volume que você deseja produzir. Por exemplo, para ter 20 litros de cerveja engarrafados no final do processo, o ideal é que suas panelas comportem pelo menos 30 litros (cerca de 33% acima do volume final desejado costuma ser uma boa referência) para compensar as perdas que você terá ao longo do processo de produção.
  • É possível usar apenas uma, duas ou três panelas para produzir cerveja. Depende do método que você escolheu. Quando o cervejeiro opta por um método que use mais de uma panela, também é possível que elas tenham tamanhos diferentes. A maioria dos cervejeiros usa o método tradicional de três panelas, sendo uma apenas para esquentar água, uma para cozinhar os grãos e outra para fervura. Em caso de panelas com tamanhos diferentes, o tamanho da panela de fervura determinará o limite de volume que pode ser produzido, levando em conta a observação feita no parágrafo anterior.
  • Da mesma forma que as panelas, os baldes ou bombonas também precisam de espaço extra para fermentar e maturar a cerveja. É muito comum ver kits na internet cujos vendedores dizem servir para fazer 20 litros, mas conterem apenas um balde de 22 litros para fermentação. Esse volume não é suficiente, pois além das perdas, uma fermentação adequada necessita que o balde possua um espaço vazio além da litragem útil, que chamamos de “head space”. Para produzir 20 litros, use um balde de fermentação de 30 litros, não de 22. O balde de maturação/envase pode ter um volume menor, mais próximo do volume final da produção.
  • Sim, é possível fermentar a cerveja em temperatura ambiente, mas provavelmente ela não vai ficar boa. É fundamental para quem quer fazer boas cervejas controlar corretamente a temperatura nas etapas de fermentação e maturação. Por isso, mire na qualidade e tenha uma geladeira ou freezer disponível EXCLUSIVAMENTE para isso. Não, você não pode separar um espacinho pro balde na geladeira da sua casa, pois as variações de temperatura nas várias etapas do processo vão acabar estragando seus alimentos. Além disso, você precisará controlar a temperatura do seu refrigerador com um termostato eletrônico, que desligará o seu refrigerador quando este atingir a temperatura desejada.
  • Alguns acessórios podem facilitar a vida do cervejeiro, mas não são primordiais para iniciar a produção. É o caso das peneiras de inox, bombas, poços termométricos para baldes e panelas, engates rápidos, termômetro digital, etc. Inclua estes itens no seu kit inicial somente se o seu orçamento tiver verba sobrando para isso. Caso contrário, vá incrementando o seu kit depois, aos poucos.

Por enquanto, acho que já deu pra você ter uma ideia do que é necessário pra começar a fazer cerveja.

Mas não se engane! Ainda tem muita informação importante e muitos temas relevantes pra abordarmos aqui. Em breve publicarei a parte II deste post, com mais algumas dicas pra quem está começando.

Espero que você possa acompanhar todos os textos que escreverei para esta coluna. Será um imenso prazer incentivar novos homebrewers, para que tenhamos uma cena cervejeira cada vez mais forte em todo o Brasil.

Grande abraço e grandes cervejas!

7 Comentários


  1. Gostei do texto, linguagem fácil e didática! Resumiu muito bem pontos importantes de quem está querendo se aproximar do melhor dos hobbies

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *